PRINCIPAL FÁBRICA DE CABOS DE TRANSIÇÃO DE ENERGIA DA PRYSMIAN SE TORNARÁ A PRIMEIRA INSTALAÇÃO NET-ZERO DO GRUPO

PRINCIPAL FÁBRICA DE CABOS DE TRANSIÇÃO DE ENERGIA DA PRYSMIAN SE TORNARÁ A PRIMEIRA INSTALAÇÃO NET-ZERO DO GRUPO

PIKKALA - FINLÂNDIA - É UM CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA TRANSMISSÃO DE ALTA TECNOLOGIA E CABOS DE DISTRIBUIÇÃO O GRUPO CONFIRMA SEU COMPROMISSO DE REDUZIR AS EMISSÕES DE CO2

05 Mar 2021

 

Milão, 25 de janeiro de 2021 - O Grupo Prysmian, líder mundial na indústria de sistemas de cabos de energia e telecomunicações, está dando um passo à frente em sua jornada para melhorar a sustentabilidade de suas operações, tornando sua fábrica de cabos submarinos de alta e média tensão na Finlândia em um centro de excelência da empresa também para consumo de energia verde. A instalação de Pikkala é estratégica para o Grupo Prysmian porque é um centro de excelência na produção de cabos utilizados em interconexões terrestres e submarinas para parques eólicos terrestres e marítimos em todo o mundo.

 

Cem por cento da energia usada em Pikkala será de fontes renováveis certificadas. O novo sistema de queima de biomassa da fábrica reduzirá suas emissões anuais de CO2 usando madeira reciclada de fontes como os cilindros de transporte de cabo da própria Prysmian depois de se tornarem inadequados para o uso industrial, uma das etapas do Grupo Prysmian em sua "corrida para ser net-zero". Para reduzir ainda mais as emissões de CO2, a frota de automóveis corporativos da Pikkala agora é totalmente composta por veículos híbridos ou elétricos, refletindo as metas gerais do Grupo. A Pikkala é responsável pela produção de cabos terrestres e submarinos de alta, média e baixa tensão para a transição energética. É uma das três fábricas de cabos submarinos do Grupo Prysmian na Europa, junto com a Arco Felice (Nápoles) e Drammen (Noruega).

 

“Estamos acelerando nosso compromisso com a descarbonização”, disse Andrea Pirondini, Diretor de Operações. “Nosso objetivo é definir metas de redução de carbono com base científica e calcular as emissões da cadeia de abastecimento (Escopo 3) junto com aquelas produzidas diretamente pelo Grupo. Enquanto isso, queremos implementar novos sistemas circulares de energia em nossas fábricas, como o de Pikkala.”

 

Os cabos produzidos em Pikkala dão suporte à crescente indústria de energia renovável na Europa e nos Estados Unidos, oferecendo tecnologia de ponta. A Pikkala forneceu cabos para muitos projetos de parques eólicos marítimos europeus, incluindo Helwin 1, Helwin 2, Borwin 3, Dolwin 3 e Dolwin 5, além de muitas interconexões submarinas como COBRA e IFA2. A instalação fornecerá ao desenvolvedor eólico marítimo dos EUA Vineyard Wind, um sistema de cabos de energia submarino para um parque eólico na costa de Massachusetts. O Grupo Prysmian também lidera o mercado de energia renovável na Finlândia e fornece cabos para muitos projetos eólicos terrestres no país.

 

O uso de energia renovável em Pikkala ajudará o Prysmian Group a cumprir várias metas de seu Scorecard de Sustentabilidade para 2022: reduzir as emissões de C02 em 2-3%; reciclar até dois terços de seus próprios resíduos; e reaproveitar 27% dos seus próprios cilindros. A partir de 2020 e pelos próximos três anos, o Prysmian investirá cerca de € 450 milhões para aprimorar ainda mais a sustentabilidade de sua organização e cadeia de suprimentos, além de acelerar o desenvolvimento de tecnologias avançadas de cabos, bem como ativos e serviços. Redução do consumo de energia, circularidade e capacidade de reciclagem de resíduos são primordiais nos esforços da Prysmian. 

 

O levantamento e os preparativos para o sistema de queima de biomassa local na instalação, com 500 funcionários, começarão em janeiro de 2021, com a construção prevista para começar em fevereiro.

 

“Estamos muito satisfeitos por contribuir para a economia circular com esta nova solução de queima”, disse Borjan Sehovac, CEO da Prysmian Finland. “Pikkala será a primeira instalação net-zero do Grupo e esta é uma solução em que todos saem ganhando: ela traz benefícios para o meio ambiente enquanto reduz os custos de energia do Grupo.”